Maratona Berlin 2010

outubro 3, 2010

Minha experiência na Maratona de Berlin 2010

Olá Galera! Das corridas do dia 26/09/2010 tivemos a 37ª edição da Maratona de Berlim, na Alemanha. O evento teve mais de 40.000 inscritos de mais de 100 países. A prova teve início e chegada no famoso portão de Brandem Burgo. Com o percurso muito plano, Berlim é considerada uma das “maratonas mais rápidas do planeta”. Mas no dia da prova com frio e muita chuva, não tivemos quebra de recorde. Acredito que a chuva do inicio até o final da prova, tenha atrapalhado muita gente que gostaria de fazer seu melhor tempo em maratona, não estou falando dos grandes profissionais que foram para buscar pódio, e sim de nós amadores que temos como principal objetivo completar a prova em nosso melhor tempo possível. Portanto, falo por mim. Fiz um planejamento de 5 meses de treinamento com qualidade para buscar meu melhor resultado em uma maratona, no entanto, quando chegou o dia e a hora, o frio e a chuva não paravam um minuto. Comecei a prova muito bem e achei que seria o meu dia de correr bem. Quando completei os 21 km em 1h28, fiquei muito feliz, imagine, vc esta bem nos 21km. Pensei, hoje vou atingir o meu objetivo, pois me lembrei da maratona de Chicago de 2009, quando tive praticamente esta mesma marca na meia. Mas nos próximos quilômetros minhas panturrilhas começaram a reclamar, também pudera, tênis, meias, camiseta e shorts molhados, achei normal sentir um pouco no km 29, mas quando cheguei ao km 34, parecia que tinha uma faca enfiada em cada panturrilha. Estava fazendo uma media de 4:15 por km até os km 31, depois subiu pára 4:40 por km e ainda para ajudar precisei ir ao banheiro, pois tomei gel, água etc… Pela primeira vez pensei que não completaria uma maratona, a qual em algum momento eu acreditei que faria meu tempo recorde. A dor era muito forte nas panturrilhas, mas me lembrei de todo um planejamento para realizar esta prova, como a viagem, gastos, os treinos longos de preparação, pessoas que ficaram torcendo por mim na prova e dizendo vc vai correr bem nesta prova, chegada antecipada, para adaptação do fuso horário etc.. . Foi neste momento de reflexão, que simplesmente ignorei a dor e tracei outro plano de corrida: completar os quilômetros que faltavam em um ritmo abaixo de 5min por km; assim eu completaria a maratona abaixo de 3h10min. E foi o que aconteceu fechei em 3:08:20seg. Após esta maratona confirmei o que sempre falo para meus alunos, que corrida é o dia, isto é, vc faz bem uma prova difícil e não tão bem uma prova considerada fácil. Foi o que realmente aconteceu comigo. Pois meu tempo recorde em maratona é de 2h58m (maratona de Chicago).
Mesmo com todos os fatores externos da prova, acredito que, pela minha experiência em maratonas fiz um bom tempo e valeu não só pela prova, mas também pela viagem que foi maravilhosa. Além da organização excelente e um povo muito educado. A única coisa que achei ruim foi a forma de distribuição de água, pois era em copo aberto, isto é muito ruim para os corredores. Uma economia muito barata.

Prof. Ms Nilton Leite
E-mail nil_personal@yahoo.com.br
Site: WWW.niltonleitepersonalfitness.com.br
Personal Trainer e responsável pela equipe de corrida Nilton Leite Personal Fitness

A malhação do samba

abril 10, 2010

Matéria publicada na revista Casa Bairro de fevereiro de 2010.

Para ver a matéria na íntegra, clique aqui.

Fortaleza para os músculos

abril 10, 2010

Fundamental para a performance e velocidade, musculação não tem que ser coisa somente para homens.

Para ler na íntegra a matéria publicada na revista O2 de Fevereiro de 2010 clique aqui.

Cafezinho antes do treino

dezembro 15, 2009

Cafezinho
Mitos e verdades sobre o uso da cafeína
Este potente estimulante passou recentemente por uma análise científica e vários estudos começaram a ser realizados acerca dos seus efeitos positivos e negativos. A grande pergunta è: qual é a verdade a respeito deste queimador de gordura e energético tão poderoso?
Leia o ártico e descubra agora!
Sucedendo a creatina
Durante 10 anos, desde o dia em que chegou ás lojas de suplementos desportivos, a creatina tem sido maltratada pelos meios informativos dedicados á Saúde, acusada de perigosa e causadora de lesões musculares, entre outras enfermidades.
E hoje em da a duvida quanto ao seu uso é freqüente, principalmente no Brasil, onde ainda é proibida pela ANVISA – Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Acreditamos que a creatina é um suplemento útil para aquelas pessoas que desejam melhorar o desempenho muscular e aumentar a resistência. Por que sabemos, com base em diversos estudos que a creatina é muito efetiva e completamente segura quando ministrada de acordo com suas recomendações.
Mas ser alvo de polemica e duvida não é privilégio da creatina. Pois alguns estudos foram analisados sobre outros suplementos para esclarecimentos de mitos e verdades sobre sua utilização. E a ultima analise refere-se à cafeína. Muita gente considera uma forma de permanecer alerta durante o dia; mas de acordo com alguns artigos, a cafeína pode ser responsável por malefícios. Outros estudos, porém, atestam seus benefícios físicos e mentais. A gora as duvidas poderão ser esclarecidas sobre esta substancia que pode compor um importante suplemento alimentar.
Primeiro: o que é cafeína?
É uma substancia conhecida como remédio psicoativo mais popular no mundo. A cafeína é um alcalóide procedente de certas plantas e atua como poderoso estimulante do sistema nervoso central. Seu efeito básico consiste em aumentar a concentração e o estado de alerta; por isso, se converteu em componente principal no café da manhã. Contudo ela possui alguns efeitos menos discutidos, incluindo a constrição das veias que pode ser boa para algumas doenças e dores de cabeça para algumas pessoas. Abertura dos alvéolos pulmonares (excelente para os asmáticos) e indução para que os depósitos de gordura liberam suas células na corrente sanguínea (ação magnífica antes do treinamento servindo para que seja utilizada como substrato energético). A cafeína também ajuda a potencializar o metabolismo, assim como mascarar a dor muscular durante o exercício.
Mas por que alguns meios informativos condenam a cafeína?
Um exemplo: um pesquisador afirmou recentemente:“ as bebida com cafeína podem contribuir para a obesidade”. É indiscutível que os pesquisadores chamem a atenção e cumpram muito bem seu serviço. No entanto, uma análise próxima do estudo revela a verdade dessa história. Os pesquisadores da Universidade de tecnologia de Nova Zelândia examinaram se as bebidas que continham sacarose e cafeína exerciam um impacto sobre o metabolismo. Concluíram afirmando que a cafeína podia acelerar a conversão e acumulo do açúcar em gordura – ao menos nas dez mulheres sedentárias do estudo. Sem duvidas, não era essa a intenção dos pesquisadores. Porque o problema não estaria na cafeína, mas na grande quantidade de açúcar presente na bebida esportiva.

Informações sobre a cafeína e quantidade nos produtos
Produto Cafeína (mg) Produto Cafeína (mg)
Café (225g) 100 Chá preto (225g) 40
Café expresso (56g) 63 Coca-cola (335g) 19
Red Bull (225g) 30 Chá verde (225g) 26
Coca- cola light (335g) 40 Chocolate quente (225g) 80

Qual quantidade de cafeína deve ingerir por dia e como devo tomar?
Beber café é uma coisa, mas grandes quantidades de açúcar e gordura (como no leite integral, açucares e nata) reduzem os benefícios dos antioxidantes presentes no café e a capacidade de potencializar a saúde. Ainda que muitas bebidas que contêm cafeínas possuam antioxidantes benéficos, tirar a cafeína da dieta não vale muito à pena. Deve-se levar em conta que a quantidade de cafeína presente nas bebidas depende de muitos fatores como: tipo de café ou chá, forma de tostar e modo de preparo. Um modo melhor de ingerir cafeína é por meio de um suplemento. Recomenda-se tomar 100mg a 300mg de cafeína anídrica (cafeína usada em suplementos), 1 a 2 vezes por dia, uma dose pela manhã e a outra 1 a 2 horas antes de treinar. Mas atenção: se ingerir cafeína no período da noite poderá sofrer transtornos do sono, dormindo menos e pior.
A cafeína pode provocar um ataque cardíaco?
Um estudo recentemente publicado em “Epidemiogly” assegura que tomar café pode aumentar o risco de ataque cardíaco. Mas em uma análise profunda, a notícia revela mais coisas. Primeiro, que o estudo não foi realizado em laboratório. Os pesquisadores entrevistaram 503 costarriquenhos que haviam sofrido um ataque cardíaco e perguntaram-lhes sobre seu consumo de café. Portanto, os resultados unicamente demonstraram uma associação entre cafeína e ataque cardíaco, como se a cafeína fosse à responsável. Uma questão muito simples para uma ocorrência tão complexa, não acha? Além disso, os pesquisadores deveriam ter perguntado o que comiam e o que bebiam, entre outras coisas, os enfermos antes de sofrerem os ataques. Finalmente é importante explicar a conclusão do estudo: os pesquisadores informaram que risco maior de ataque cardíaco era para aqueles que não faziam exercícios físicos. Essa é a realidade!
A cafeína desidrata?
A cafeína atua nos rins para aumentar o volume urinário e por isso é considerada um diurético. Porém, seu efeito é muito suave e não afeta a saúde das pessoas engajadas num treinamento. Um estudo publicado no “ International Jorrnal of Sports Medicine” comparou os efeitos das bebidas desportivas cafeinadas e descafeinadas sobre o exercício. Os resultados? Consumir cafeína não afeta o processo de hidratação.
Sobre seus aspectos positivos: algo que favorece meu cérebro pode potencializar meu treino? Numerosos estudos demonstraram que o composto da cafeína favorece na hora do treino e por isso é recomendado tomá-la antes de fazer exercícios. Muitos atletas a utilizam como um queimador de gordura. Como sabe, a cafeína faz com que a gordura acumulada se dirija para a corrente sanguínea, onde pode ser utilizada como fonte de energia. Assim como pode ser boa para o físico, também é para a resistência, como demonstram os pesquisadores coreanos do Institute of Elderly Healt, de Seul, ao darem cafeína para ratos e para seres humanos e os fazerem treinar até a exaustão. Em ambos os grupos aumentou-se a disponibilidade de gordura na corrente sanguínea e a resistência muscular. Durante o exercício o corpo começa a sentir-se fadigado quando baixam os níveis de glicose (glicogênio), um maior volume (tempo) de exercício pode ser realizado antes da fadiga. O estudo avaliou inclusive a capacidade da cafeína em aumentar a resistência de outras maneiras. Em 2003, o “Journal of Pain” publicou um estudo no qual foi comprovado que as pessoas que ingeriam doses elevadas de cafeínas uma hora antes de pedalar por 30 minutos em intensidade moderada,sentiram menos dor muscular, o que sugere poder treinar por mais tempo com qualidade física melhor.
Mas o exercício não só se refere à resistência, mas também ao tamanho dos músculos. A cafeína auxilia também nesse caso. Os pesquisadores da Universidade de Nebraska- Lincoln comprovou que indivíduos treinados poderiam realizar mais repetições com o mesmo peso (80% de 1 RM) tomando cafeína uma hora antes do treino. Finalmente, ingerir cafeína pode ajudar ainda na recuperação. Um estudo realizado na Escola de Esportes e Ciências do exercício da Universidade de Birmingham, Inglaterra, descobriu que os ciclistas que tomaram bebidas desportivas cafeinadas antes de treinar aumentaram notoriamente o metabolismo de carboidratos. No começo da atividade, alguns tipos de carboidratos não fazem bem, mas depois de um treinamento, é necessário incorporar esses carboidratos o mais rápido possível para potencializar os níveis de insulina, controlar o cortisol, recuperar o glicogênio muscular, e a cafeína parece acelerar esse processo.
O que vai acontecer com minha saúde?
A maior parte das pessoas evita a cafeína, que contém muitos compostos benéficos. Por exemplo, os antioxidantes, que lutam contra os danos produzidos pelos radicais livres que atacam as células. Estudo realizado na Nestlé research Center, na Suíça, descobriu que o café contém mais antioxidante que o cacau e os chás preto e verde. Mas a cafeína tem seus próprios benefícios para a saúde, sobretudo no cérebro, e os pesquisadores estão começando a imaginar como podem fazer proveito desta informação. Um estudo realizado no ano de 2005 na Universidade Austríaca de Innsbruck examinou o cérebro de varias pessoas depois de ter tomado café ou placebo. Os que receberam cafeína mostraram maior atividade e apresentaram melhoras na memória a curto prazo.
Estudo publicado há alguns meses na “Annals of Internal Medicine” descobriu que a cafeína pode reduzir notoriamente o risco de contrair diabetes. Em muitas pessoas, bastaram somente três xícaras de café para produzir essas vantagens, que também foram aproveitadas por quem ingeriu chá verde.
Avaliando todos os estudos podemos concluir que a Cafeína em doses moderadas não faz mal para saúde e sim só benefícios e os mais beneficiados são os praticantes de atividades físicas. Portanto você que toma seu cafezinho antes de treinar, pode continuar, pois estar no caminho correto.

Fontes: Prof. Maurício De Arruda Campos, diretor do depto. De Educação e Pesquisa IBBB, Prof. Bruno Neto, secretário- Geral CBC-M, Prof. Rodrigo Bertani, especialista em Fisiologia do Exercício- UFSCAR e Prof. Nilton Leite, Mestrado em reabilitação Neuro-motora e Especialista em Fisiologia do Exercício- UNIFESP.

Novo Produto para ajudar na reduçaõ de peso

março 22, 2009

Bloqueador de carboidratos ajudando a emagrecer

Phase2® é um produto natural à base de Faseolamina; que atua significativamente na redução da absorção de carboidratos.
Como funciona?
O princípio ativo da Faseolamina, é capaz de reduzir de maneira significativa a ação da enzima alfa-amilase; enzima responsável pela digestão do amido (carboidrato) que ingerimos. Sem ação desta enzima, o organismo é incapaz de absorver as moléculas inteiras de carboidratos e assim são eliminados naturalmente, sem acumular calorias e gorduras no seu corpo (pois os carboidratos, quando não utilizados como fonte de energia, são armazenados como gordura localizada).
Phase2® – Extrato de Feijão Branco (faseolamina)
Desde que a obesidade se tornou uma epidemia no mundo moderno, vários produtos surgiram no mercado prometendo um emagrecimento instantâneo, assim como não faltaram dietas milagrosas e dicas de todos os tipos. Mas a verdade absoluta sobre a perda de peso ainda reside na dieta alimentar e no gasto de energia. Todo mundo sabe que carboidrato fornece energia, tem que estar na alimentação, mas engorda. Ninguém consegue manter o pique se não comer carboidratos. Pensando nisso, cientistas de todo o mundo começaram a investigar a faseolamina, uma substância extraída a partir do Feijão Branco.
A Faseolamina tem como propriedade inibir a atividade da enzima alfa-amilase humana que é responsável pela transformação do amido (carboidrato) ingerido, em glicose. Essa enzima, presente na saliva e liberada pelo pâncreas no intestino, atua após a alimentação, durante o processo de digestão, quebrando os amidos ingeridos e convertendo-os nos açúcares da circulação sangüínea, o que irá causar o aumento da glicemia (taxa de açúcar no sangue). Com a inibição da enzima alfa-amilase, os amidos não conseguem ser digeridos e são enviados diretamente ao intestino para sua eliminação através das fezes. Esse mecanismo apresenta uma alternativa segura para as dietas de emagrecimento e para diabéticos que precisam diminuir a quantidade de açúcar circulante.
Nos Estados Unidos o suplemento de faseolamina já é comercializado desde os anos 80 como um suplemento bloqueador dos carboidratos (amidos), utilizado no controle da obesidade e diabetes. No Brasil, no entanto, esse produto foi lançado recentemente pela Integralmédica, com o nome de Phase2® – Extrato de Feijão Branco, com características similares ao produto importado. Esse produto tem sido estudado e pesquisado desde o ano 2000 pelo departamento de desenvolvimento e pesquisa da empresa, e atingiu um elevado grau de segurança dentro da dosagem recomendada: 1.000mg de faseolamina meia hora antes das refeições contendo carboidratos – amidos. Não apresenta efeitos colaterais nem contra-indicação, mesmo quando testado em dosagens maiores que as recomendadas. Os resultados do consumo de faseolamina podem ser comprovados após 8 semanas de consumo, em média, e mostram uma perda de peso significativa (Ballerini 2001, Udani 2003) com diminuição da circunferência abdominal e controle da glicemia (Vinson 2001, Vinson 2002, Vinson 2003).
A matéria-prima da faseolamina é obtida através dos feijões inteiros num processo de moagem, drenagem, filtragem e concentração a vácuo, para depois ser re-filtrado, pasteurizado e seco. Esse processo garante um produto final estável que não se altera na presença dos ácidos digestivos, e nem sob altas temperaturas, o que lhe garante uma ação contínua logo após a sua ingestão (J. John Marshall e Carmen M. Lauda, 1975).
Com o crescimento da obesidade no Brasil é de fundamental importância a busca de soluções que colaborem no tratamento dessa epidemia e mantenha a população dentro dos padrões normais de saúde. Não podemos ficar à margem do que já se aplica nessa área em todo o mundo. Muitas empresas já produzem suplementos à base de faseolamina como indicação para o controle de peso. São inegáveis os benefícios que esta substância proporciona, pois permite uma dieta com a ingestão de carboidratos, sem que estes sejam os responsáveis pelo ganho de peso. Foi publicado recentemente em uma revista de grande circulação no Brasil uma matéria mostrando a Faseolamina como uma das últimas descobertas na área da nutrição para perder definitivamente a barriga. E não é dica milagrosa. Esse produto existe, e se chama Phase2®.
Segurança e Eficiência as pesquisas comprovam: 100% de eficiência; ausência total de efeitos colaterais; o produto não interfere com outras substâncias e medicamentos; e por ser extraído de um vegetal, tem seu registro garantido no FDA – Food Drugs Administration, o maior órgão norte americano de regulamentação e segurança de alimentos e medicamentos.

Bibliografia
1. Marshall JJ, Lauda CM. Purification and properties of phaseolamin, an inhibitor of alpha-amylase, from the kidney bean, Phaeolus vulgaris. J Biol Chem. 1975;250:8030-8037.

2. Marshall JJ. Alpha-amylase inhibitors from plants. Am Chem Soc Symp Ser. 1975;15:244-266.
3. Federal Trade Commission, Food and Drug Administration, National Association of Attorneys General. The facts about weight loss products and programs. Critical Rev in Food Sci Nutr. 2001;41:87-89.
4. Vinson JA, Shuta DM. In vivo effectiveness of a starch absorption blocker in a double-blind placebocontrolled study with normal human subjects. Unpublished data, University of Scranton, September 6, 2001.
5. Vinson, JA, Shuta DM. In vivo effectiveness of a starch absorption blocker in a double-blind, placebocontrolled study with normal college-age subjects. Unpublished data. University of Scranton, November 20, 2001.
6. Vinson, JA. Dose-response pilot study of phase 2 efficacy as an inhibitor of glucose absorption with a full meal. Unpublished data supplied by manufacturer. May 13, 2002.
7. Udani J, Hardy M, Madsen DC. Use of Phase 2 Starch NeutralizerT-brand bean extract for weight loss: a randomized controlled trial: final study report. June 2003.
8. Vinson JA, Kharrat HA, Shuta D. Investigation of an amylase inhibitor on human glucose absorption after starch consumption. Unpublished data supplied by author. July 10, 2003.
9. Vinson JA, Shuta DM. In vivo effectiveness of a starch absorption blocker in a double-blind, placebocontrolled study with normal subjects. Unpublished data. University of Scranton. November, 20, 2001.
10. Layer P, Carlson GL, DiMagno EP. Partially purified white bean amylase inhibitor reduces starch digestion in vitro and inactivates intraduodenal amylase in humans. Gastroenterology. 1985;88:1895-1902.
11. Layer P, Zinsmeister AR, DiMagno EP. Effects of decreasing intraluminal amylase activity on starch digestion and postprandial gastrointestinal function in humans. Gastroenterology. 1986;91:41-48.
12. Layer P, Rizza RA, Zinsmeister AR, Carlson GL, DiMagno EP. Effect of a purified amylase inhibitor on carbohydrate tolerance in normal subjects and patients with diabetes mellitus. Mayo Clin Proc. 1986;61:442-447.
13. Boivin M, Zinsmeister AR, Go VLW, DiMagno EP. Effect of a purified amylase inhibitor on carbohydrate metabolism after a mixed meal in healthy humans. Mayo Clin Proc. 1987;62:249-255.
14. Carlson GL, Li BU, Bass P, Olsen WA. A bean alpha-amylase inhibitor formulation (starch blocker) is ineffective in man. Science. 1983;219:393-395.

Vida sedentária e maus hábitos alimentares deixam desta forma

fevereiro 15, 2009

Gordo

Uma vida sedentária e maus hábitos alimentares podem levar a uma obesidade excessiva e proporcionar varias doenças.  Veja á apresentação sobre obesidade.

Apresentação de monografia de pós-graduação em obesidade e Emagrecimento
Prof. Nilton Cesar F. Leite

Proveitos de exercícios físico na prevenção e tratamento para indivíduos obesos associados à hipertensão

  • Obesidade → Uma enfermidade caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, associada a problemas da saúde. (OMS)
  • Hipertensão pode ser resultante de fatores genéticos, dietas com altos teores de sódio, obesidade, inatividade física, estresse e outros.
  • Os indivíduos com pressão arterial sistólica elevada a 160 mmhg  ou pressão arterial diastólica acima de 100mmhg em repouso, deve ser encaminhados a um médico.   (Pollock, 1993:13)

Classificação da Obesidade

  • Hiperplasia ocorre na gestação e no primeiro ano de vida, entre 5 e 7 Anos para Adolescência;
  • Hipertrofia→ Ocorre Com maior Freqüência Em Adultos (Mcardle, 1985).

Fatores Externos:

  • Alimentação, estresse e sedentarismo (Dâmaso, 2003)

Fatores Internos:

  • Genéticos, endócrinos, psicogênicos, medicamentosos, neurológicos e metabólicos. (Dâmaso, 2003).
Classificação IMC (kg/m2) Risco de doenças
Normal 18,5 – 24,9 Muito baixo
Excesso de peso < 25,0 Pequeno
Pré-obeso 25,0 – 29,9 Aumentado
Obeso classe I 30,0 – 34,9 Moderado
Obeso classe II 35,0 – 39,9 Severo
Obeso classe III 35,0 – 40,0 Muito severo
(Monteiro, 1998)

Fatores de risco a doenças cardiovasculares

  • Sedentarismo, alimentação inadequada, obesidade, hipertensão e acidente vascular encefálico (OMS).

Atividades físicas que podem melhorara qualidade de vida e prevenir algumas doenças

  • Musculação, alongamento, caminhada, corrida, ciclismo e hidroginástica


Recomendação de exercícios

  • Frequência  de 3 a 5 vezes por semana;
  • Intensidade da FC de 55% a 90% ;
  • Vo2 de 40%  a 85%;
  • Duração 20 a 60 minutos;
  • Musculação 8 a 10 exercícios envolvendo grandes grupos musculares, 3 vezes por semana com séries de 8 a 12 repetições (American College, 1998).

Efeitos da atividade física em hipertensos:

  • Indivíduos com hipertensão submetidos a exercícios físicos tendem a reduzir a concentração de catecolaminas circulantes, o que, somado à diminuição do tônus simpático provoca diminuição do debito cardíaco e na resistência periférica, resultando em menor pressão arterial em repouso (Fargard & Tipton,1994).

Conclusão

Qualquer atividade física associada uma boa reeducação alimentar proporciona o emagrecimento saudável, no entanto evidencias científica recomendam exercícios de musculação associados ao trabalho aeróbio.

Pratique corrida com orientação e melhora sua qualidade de vida.

Corridas de rua

Corridas de rua

Exercícios Funcional

janeiro 22, 2009

O exercício funcional hoje em dia virou moda nas academias, no entanto nem todos os profissionais estão preparados para aplicar estes exercícios.  Segue abaixo algumas respostas:

  

·        Qual a finalidade do treinamento funcional?

O treinamento chamado funcional tem como objetivo estimular aqueles grupos musculares ou mesmo pequenos músculos que servem de base para um determinado movimento. Por exemplo, corredor que só pratica corrida fortalece apenas os músculos atuantes no gesto esportivo, deixando os mais fortes cada vez mais fortes e os mais fracos cada vez mais fracos. Um tipo de exercício atualmente trazendo bons resultados é feito com bola suíça, que trabalha a propriocepção, a correção postural, o fortalecimento muscular, o equilíbrio e o relaxamento. A bola, por fornecer superfície instável, acaba recrutando músculos estabilizadores mais profundos em qualquer exercício nela executado. 

  • Quais são as diferenças técnicas entre ele e outras modalidades similares, como Pilates, Yoga e musculação?

Várias modalidades esportivas, entre elas o futebol, estão descobrindo essa técnica que não é nova. Já existia na fisioterapia e agora popularizada nas academias tem colaborado com a redução do índice de lesões.  O Pilates é o método criado pelo Alemão Joseph Hubertus Pilates durante a primeira guerra mundial, trata-se de um sistema de treinamento que trabalha o corpo como todo, intervindo na mente, músculos e respiração. A yoga visa mais a parte de respiração e alongamento, mais em algumas posições utiliza o equilíbrio e contração isométrica que podem ser considerados exercícios funcionais. Na musculação, por exemplo, as máquinas têm a vantagem de trabalhar isoladamente um grupo muscular, entretanto, exercícios para o mesmo grupo muscular quando executados com peso livre ou com elásticos, recrutam mais músculos para manter o equilíbrio, a coordenação e estabilizar o movimento.

  • Quanto aos resultados, quais são as vantagens e desvantagens?

 Existem vários recursos que podem ser utilizados para melhorar a capacidade funcional do indivíduo, como a bola, pesos livres, cabos, elásticos, superfícies instáveis, apoio unilateral, prancha de equilíbrio, entre outros.

As principais vantagens do treinamento funcional para o atleta são:

Otimização da performance atlética;

Melhora do equilíbrio muscular;

Melhora da coordenação motora;

Aumento do recrutamento das fibras de resistência;

Desenvolvimento da consciência e controle corporal;

Melhora da postura;

Diminuição da incidência de lesão;

Aumento da eficiência dos movimentos.

 

  •  Quais tipos de pessoas são indicadas  para fazê-los? Por quê?

Qualquer pessoa, desde que seja orientada por um profissional qualificado, a única ressalva é o cuidado com pessoas hipertensas e pessoas mais velhas, por ser um exercício geralmente executado em bases instáveis podem proporcionar uma isometria e este não adequado para pessoas hipertensas e as bases instáveis têm sempre um risco de quedas que pode fraturar um osso, pois nesta idade os mesmos são mais fracos.

  • É possível fazer tais exercícios sem um acompanhamento integral de um profissional habilitado para esse tipo de modalidade?

Não, quaisquer exercícios devem ter acompanhamento de um profissional de educação física. E o profissional deve ser qualificado ou obter mais informações para estes tipos de exercício, pois a maioria dos professores de academia acha que é uma modalidade da moda e só são executados em bolas suíças. Mas na verdade os exercícios funcionais estão em nosso cotidiano e nos exercícios unilaterais executados nas academias.

  • Eles são eficazes na perda de peso/queima de gordura?

 Sim, desde que seja realizado com intensidade elevada, associados com uma boa reeducação alimentar, podem sim proporcionar perda de gordura e diminuição de peso.

O treinamento funcional diminui os riscos de lesão para os praticantes de esportes de impacto?

Sim, o treinamento funcional é uma modalidade de treinamento que através da especificidade busca o equilíbrio, a prevenção de lesões e a otimização do desempenho de atletas.

  • É um forte aliado para quem pratica corrida?

 Sim, pois trás vantagens para o corredor como:

– Aperfeiçoamento do desempenho e eficiência do gesto esportivo.

– Melhora do equilíbrio e correção dos desvios musculares, reduzindo o índice de lesões.

– Melhora da coordenação motora.

– Recruta maior número de fibras musculares e unidades motoras.

– Desenvolvimento da consciência, controle do corpo e postura.

·        Pode ser um substituto da fisioterapia?

 Não, porque os exercícios considerados funcionais têm como objetivo prevenir lesões, já à fisioterapia geralmente é para tratar algum diagnóstico, proporcionado pelos esportes ou cirúrgicos. 

  • Uma vez que o treinamento funcional não existe há tanto tempo (ou existe?), é possível saber suas conseqüências em longo prazo?

O treinamento funcional já existe há muito tempo, porém só agora que chegou  nas academias com assessórios   novos, entre eles bola, prancha e bosu, mas ao mesmo tempo as pessoas sempre realizaram  exercícios funcionais com movimentos multi-articulares e multi-planares com o envolvimento da propriocepção, utilizando halteres. E quanto a suas conseqüências ainda é muito cedo para falar em longo prazo, mas até o presente momento não há evidências cientifica negativas sobre os exercícios funcionais.

  •  Uma pessoa apta a executar os exercícios funcionais pode permanecer fazendo o treino pro resto da vida ou deve substituí-lo de vez em quando por outras modalidades?

 Qualquer atividade física realizada constantemente na mesma intensidade, o organismo proporciona uma adaptação fisiológica e em determinado tempo o exercício não tem mais os efeitos desejados, pois o estimulo do exercício não é suficiente para quebrar o estado de equilíbrio do metabolismo, conhecido como homeostase.

  • Qual a relação entre tais exercícios e lesões?

 O único cuidado são as quedas proporcionadas com bases instáveis. Que pode causar uma fratura óssea.

Prof.Ms. Nilton César Ferreira Leite (Personal Trainer)

Cref. 03308-G/SP